domingo, 9 de setembro de 2018

Peru - As incríveis Lagunas de Huaraz

Huaraz é um lugar ainda bem pouco explorado por brasileiros, mas aos poucos vai ganhando as redes sociais e facilmente fazendo a cabeça dos viajantes com suas lagunas azul turquesa, para as quais você certamente já correu os olhos na foto logo abaixo, antes mesmo de finalizar a leitura desta frase.


 


Localizada no norte peruano, Huaraz, é uma cidadezinha bem tranquila, onde pudemos passar um dia todo nos aclimatando, afinal, está há 3.000 metros de altitude, e foi ótimo, porque além disso, pudemos conhecer um pouco da cidade e explorar um pouco da sua gastronomia e apreciar o seu folclore, já que chegamos bem no aniversário da cidade.


  














Mas antes de contar como foi, vamos esclarecer como chegamos lá!

Nosso voo do Brasil, chegava em Lima as 09:20h da manhã e eu queria partir para Huaraz no mesmo dia. Compramos as passagens antecipadamente pelo site da empresa Cruz del Sur, e como já tinha os comprovantes em mãos, fui direto para a estação Javier Prado (que eu achei a mais próxima do centro), e deixamos nossas malas no guarda volumes (na estação Plaza Norte, que parecia uma rodoviária, inclusive com guichês de outras empresas, também havia locker, mas era pago a parte), e nos dirigimos para o centro. Usamos o Uber para todos os nossos translados em Lima, sempre mais barato que fechar no táxi, e como estávamos com a internet ilimitada da Easysim4U, podíamos chamar de qualquer lugar (sempre tenho cupons de descontos, se precisar chama lá no instagram @caminhosdaju)!

Muitas pessoas perguntaram se é melhor comprar as passagens antecipadas, e eu digo que para mim foi! Foi porque como eu pretendia viajar no mesmo dia, não quis arriscar levar um não na hora de comprar lá. E foi mais viável, logisticamente, pegar um Uber no aeroporto e ir para lá direto para o guichê de guarda-volumes. Passeamos o dia todo em Lima, e umas 20:30 partimos para a estação para comer antes de viajar. Lá dentro tem um café, mas achei o "DOG" da frente bem mais interessante.

Já acomodados no ônibus, com cobertinhas, lanchinho (uma bebida quente, um pãozinho e um bolinho) e fones de ouvido, partimos rumo a Huaraz. A viagem é longa, dura até as 6:30. Para a ida, eu comprei o assento VIP, aqueles primeiros, para chegar lá vendo a vista, mas não compensou, porque acordei com o ônibus quase estacionando e não dava para ver nada.

Comprar os passeios de Huaraz antecipadamente pagando uma fortuna, é totalmente desnecessário. Logo que você desce do ônibus, alguns donos de agências já estão á para te oferecer passeios. Eu preferi ir para o meu hostel e ver a quanto saia o passeio por lá, pois já havia visto que eles tinham agências parceiras para os passeios, e fiz um ótimo negócio! Consegui fechar 3 passeios, por 40 soles cada (07/2018). Os passeios que fechei no hostel são realizados pela Mony Tours. Os guias foram todos muito prestativos. O Noel, que nos guiou até a Laguna 69, deu apoio total a todo o grupo, não deixando ninguém pra trás. Ficava de olho na galera. E a Gina, nos deu toda a explicação sobre os acontecimentos em Yungay, com uma riqueza incrível de detalhes. Gostei muito do trabalho deles!

Nós ficamos hospedados no Cayesh Guest House . Reservamos um quarto privado, café da manhã e banheiro. Era bem simples, mas era limpo, tinha um café da manhã bem gostoso, havia coberta suficiente e principalmente água quente (que no frio faz uma baita diferença)! A dona do Hostel, foi extremamente solícita com a gente. O café da manhã era servido com rapidez (o que conta muito para quem tem hora marcada pra sair com o tour). 



Agora vamos a nossa programação:

1°dia - a cidade de Huaraz: Esse dia, utilizamos para aclimatação. Não subestime a altitude, e se possível, apenas passeie tranquilamente. Nosso check-in era apenas as 11h da manhã, então deixamos nossas malas no hostel, e seguimos para o centrinho. Procuramos um lugar para tomar café, mas a maioria dos lugares estava fechado, e mais tarde descobrimos que era feriado de aniversário da cidade. Encontramos uma espécie de padaria, e tomamos um cafezinho quentinho com alfajores e pão de maiz (um tipo de milho). Depois de alimentados, começamos a caminhar pela cidade até a Plaza de Armas. 



Sentamos em um banco e começamos a observar o movimento da praça. Em seguida já foi hasteada a bandeira, e iniciaram as apresentações de danças folclóricas Katzua. 


 

Fomos para o hotel para tomarmos um bom banho e saímos para almoçar. Há uma rua chamada Jr. José Olaya, e aos domingos servem todas as comidas típicas da região. Nós experimentamos a "Pachamanca", que é uma refeição toda especial desde o preparo, cozida embaixo da terra, composta por 3 tipos de carne (geralmente cordeiro, frango e porco), vegetais, milho, batatas e umas "humanitas", que são umas espécies de pamonhas que se come no peru, com recheio de frango. Aproveitamos também para provar a Chicha Morada! Estava tudo muito saboroso e bem preparada, e o melhor: com preços extremamente acessíveis! 


 

Dali seguimos em direção a Plaza de Armas novamente, pois é lá o point da cidade. Decidimos conhecer outras ruas da cidade, e descobrimos um enorme "Mercado Municipal", que estendia seu comércio pelas ruas.  A maioria eram comerciantes mulheres, com seus trajes típicos que inicialmente chamei carinhosamente de "Cholitas", mas depois descobri que elas não gostam de ser chamadas assim, pois consideram pejorativo. Passeamos também pelas feirinhas de artesanatos, onde adquiri a minha caneca peruana (eu sei que era o primeiro dia, mas ela me encantou!)

Neste dia, comemos apenas um lanchinho antes de voltar para o hotel a noite, pois almoçamos tarde. Então, hora de descansar e ajeitar as coisas para o passeio do dia seguinte!

2° dia - Laguna Paron: Acordamos bem cedinho, tomamos tranquilamente nosso café da manhã e logo o rapaz da agência veio nos buscar par irmos a Laguna Paron! 


 

Foram aproximadamente 2 horas de estradas e curvas, muitas curvas! Pagamos os 10 soles para entrar no parque (que nenhuma agência inclui no passeio), e a van para em um ponto onde tem banheiros e até alguns peruanos vendendo comida local, que falaremos mais adiante.



Para os menos "atléticos", há a opção de ir até a laguna, e mais para a direita, tem um pequeno mirante que permite muitas fotos com a laguna ao fundo. Também tem alguns barquinhos lá para que você possa passear pela lagoa. 


 


Para os mais preparados fisicamente, o objetivo é o mirante a 4.200 metros de altitude! É uma subidinha, uma caminhada de aproximadamente 40 minutos. Como foi nossa primeira trilhinha na altitude, senti um pouquinho, mas finalizei com sucesso! E a chegada??? Um UAU atrás de outro UAU!!! Eu tinha que escolher entre respirar, chorar de emoção ou agradecer por esse prazer incomensurável de estar ali vendo aquela enorme laguna azul turquesa! 

A Laguna Paron, é a maior laguna da Cordilheira Blanca, nos Andes peruanos, e tem como moldura, picos nevados como o Artensonraju (notaram a semelhança entre ele e o slogan da Paramount?rs tá, eu sei... estava bem nublado!), e é uma ótima trilha para quem quer se aclimatar para outros passeios com maior grau de dificuldade!


 

Depois de descer, fomo até a beirinha do lago para fazer mais algumas fotinhas....

 

E chega a hora boa, hora de comer! Experimentei o "Cachanga", uma espécie de pão que eles preparam e fritam na hora, e experimentei também o cuy ao ají, ou seja, porquinho da Índia com pimenta e papas (claro, porque lá tudo tem papas!). Eu achei o cheiro bem melhor que o sabor, mas depois experimentei em outros lugares e apesar de ter pouca carne, até que é gostosinho!


A noitinha, aproveitamos para saborear um delicioso arroz de chaufa com pollo a la brasa! Que sabor incrível! Um prato que serviu 2, por apenas 10 soles! Não era um restaurante turístico, e isso foi o que mais me conquistou!


3° dia - Laguna 69: O sol ainda nem havia pensado em dar o ar da graça, e lá já estávamos nós, as 4h da matina, com o frio da madrugada surrando nosso rosto, mas com um sorriso enorme e o coração pulando de alegria! 



Foram 2 horas e meia até chegarmos a um restaurante para tomarmos café e depois seguimos para a entrada do Parque Nacional de Huascaran. O passeio havia custado 40 soles, e precisamos pagar mais 30 soles pela entrada no parque (esse era o valor para estrangeiros, peruanos pagavam apenas 10).






Antes de chegar ao início da trilha, ainda fizemos mais uma parada bem rapidinha na Laguna Chinancocha. Aquele sol lindo deixou a água muito turquesa! Uma beleza natural que emociona! A parada é muito rapidinha, por isso fizemos um passeio próprio para curtir um pouquinho mais essa Laguna.

  

Mais uns minutos e chegamos ao início da trilha. Chegar a linda Laguna 69 é um tremendo desafio! São 7km de ida, atingindo 4.600 mts de altitude e mais 7km de volta! A princípio, parece tranquila, com aquela paisagem que vai enchendo os olhos, mas aos poucos a altitude vai subindo e o ar vai faltando. As pernas latejam, os passos não rendem e os pulmões precisam trabalhar dobrado! 



 

Claro que essa foi a nossa visão, pois haviam na trilha inúmeros europeu que pareciam estar numa caminhadinha tranquila, enquanto passavam por nós com suas longas pernas! Mas vamos lembrar que eles estão super acostumados a ir para as montanhas, então estão super aclimatados! 



Por várias vezes, nos perguntamos se seria possível concluir esse desafio, ou se seria mais seguro dar meia volta. Antes de decidir, é preciso fazer uma auto avaliação, pois temos que respeitar os limites do nosso corpo. Eu estava bem, mas Rolands nem tanto e pensou várias vezes em parar. 



Teve um pouco de mal de altitude, um pouco de dor de cabeça e consequentemente um "embrulho" no estômago, mas nada que atrapalhasse, ainda mais que estávamos no finalzinho, além disso, a vontade de chegar ao nosso objetivo era tanta que tirávamos forças do fundo de nossos corações e tudo foi recompensado por aquele lindo azul turquesa bem diante de nossos olhos!




 

4° dia - Quebrada Llanuco: O passeio desse dia, era para ser o mais curto, pois era o dia de ir embora no ônibus das 22:30h rumo a Lima. Mas não foi bem assim... Não atrapalhou em nada, mas isso é porque nosso horário não estava apertado. Saímos de Huaraz por volta de 9:30h e fizemos uma parada em Carhuaz, onde conhecemos a linda igreja de  Nossa Senhora de La Mercedes e a Plaza de Armas, e aproveitamos também para experimentar alguns sorvetes artesanais (o de chirimoya e o de Mani eram os melhores!!!).

Depois disso, fizemos uma parada em Yungay, uma cidade que foi soterrada por uma avalanche, causada por um terremoto. Essa parada foi de grande valia para reflexão e para nos lembrar que temos que dar valor a nossa vida. Me coloquei a imaginar como aqueles segundos devem ter parecido horas. Para contar essa história com maiores detalhes, eu vou escrever um post completo sobre isso.




Seguimos para a Laguna Chinancocha, pegando aquela mesma estrada do outro dia. Muitas curvas montanha acima, naquele filete de estrada encravada no vale. Passamos pela portaria do parque (+ 30 soles) e finalmente chegamos a linda Laguna Chinancocha! Mas espere... cadê o sol que estava escaldante há apenas alguns minutos atrás??? Caiu uma chuva! Tivemos apenas alguns minutinhos para tirar algumas poucas fotos, e logo a água veio, mas veio com vontade, e pudemos apenas observar de longe. É isso mesmo gente, a natureza é que manda!rs Esses poucos minutos, foram muito bem aproveitados e conseguimos fazer lindas fotos e pasmem, nesse dia a laguna estava com uma cor diferente do dia anterior!





Há também a opção de sair passeando em um dos barquinhos que são oferecidos, e eu queria muito fazer esse passeio, mas tem uma filinha pra enfrentar. Vou ficar devendo o valor, pois prevendo a chuva, não quis perder tempo por ali.



Dali, nosso ônibus parou em um restaurante que servia comidas típicas peruanas. O lugar era bem rápido, e a comida muito saborosa! Nós provamos a sopa de galinha e o coelho e não nos arrependemos!

Saindo de lá fizemos uma breve parada em um loja de doce de leite (muito bom!) e também em um centro de artesanato (preços são acessíveis), onde o pessoal fez uma demonstração de fabricação de uma jarra de barro e explicou como é o processo. 


Rumamos de volta a Huaraz, passamos no hotel para pegar nossas malas (que a Mary, dona do Hostel Cayesh guardou pra gente!), e enquanto aguardávamos o horário do nosso ônibus, mais uma vez fomos ao Pub "El Tío Enríque"! Comida estilo alemã deliciosa e várias cervejas maravilhosas, sem contar na simpatia do pessoal e do próprio Tio Enrique, que prepara as salsichas ali mesmo tomando uma gelada com o pessoal!






No horário marcado, nosso ônibus partiu em direção a Lima. Me acomodei em minha poltrona e me despedi daquela cidade que tanto me impressionou por sua beleza e por sua hospitalidade, desejando que aquele não fosse um Adeus, mas sim um Até Breve!




PS.: Me desculpem por tantas fotos, mas fiquei sem maturidade para escolher apenas algumas desse lugar, que eu considero um dos mais lindos que já estive! Muito obrigada Huaraz!










terça-feira, 14 de agosto de 2018

Peru - Cusco

Eu juro que fui pra Cusco pensando que iria encontrar uma minúscula cidadezinha pacata, mas para minha surpresa, Cusco é enorme e muito movimentada! 




Cheia de turistas andando para todos os lados o dia todo, Cusco (que significa Umbigo do Mundo), guarda muita história, desde os tempos remotos. Então vamos conhecer melhor esse lugar incrível!


Bora ficar por dentro de tudo em Cusco




O que saber antes de ir



- Você deve adquirir um boleto turístico (comprado em qualquer agência ou nas bilheterias dos sítios arqueológicos/museus. Tem 2 opções: válido por 2 dias - 75 soles ou 10 dias 130 soles;



- É possível fazer Machu Picchu em 1 dia no esquema bate e volta, mas eu gostei muito mais da combinação Vale Sagrado + Machu Picchu, onde você faz o tour no Vale Sagrado em um dia (Pisac e Ollantaytambo) e no final do dia pega o trem para Aguas Calientes. No segundo dia, faz o passeio na cidade Inka, depois pega o trem retornando para Cusco.







- Não importa a agência que você fechar, no dia do passeio a van (que acredito ser terceirizada), vai pegar passageiro de várias agências. O que muda é que alguns prestam um serviço mais bacana ou inclui um almoço num lugar melhor! Neste caso, tirando a combinação Vale Sagrado e Machu Picchu, eu escolhia sempre a mais em conta e deu tudo certo!



- Salvo se você fizer um tour privado, chegar nos lugares cedo, é pura ilusão. Por exemplo, a gente queria chegar na Montanha Colorida bem cedo, para ter menos gente possível. Eles dizem que saem as 3:30/4h, mas na verdade esse é o horário que eles começam a pegar o pessoal, então eles deixarão a cidade somente pelas 4:40/5h. Conversando com outras pessoas que conheci por lá, descobri que todas eram assim. Mas no final, o passeio foi super bacana!

- No mercado de San Pedro é onde você vai achar as lembrancinhas mais em conta (uma amiga comprou um poncho para fazer fotos por 40 soles), e para "bufandas" de alpaca, recomendo uma loja chamada Artesanías da Asunta (preços ótimos!)




-Não deixe de comer um churros! Eles tem o tipo normal, aquele que estamos acostumados e tem também um outro que é fechado, mas também tem um recheio bem gostosinho dentro.





- Em vários pontos da cidade você encontrará alguém vendendo um "espetinho de anticucho". Trata-se de um espetinho de coração de boi, e acredite é muito bom! Claro que você pode comer no restaurante, onde são feitos com mais capricho, mas sabe como é né.... sou "turista raiz"! kkkk


 



- Em sua visita ao mercado, experimente um suco feito com frutas locais e peça para adicionar uma colher de "maca negra". É um tipo de raíz/batata, que tem muitas vitaminas e é ótima para a saúde!
- Ainda no mercado, experimente frutas locais (eu gostei do pepino doce, que parece um melão em forma de maçã) e também as frutas cristalizadas.




Sem dúvida alguma, fique próximo a Plaza de Armas! E sabe por que? Porque é lá que a gente sempre acaba finalizando o dia, encontrando restaurantes bacanas, vendo o movimento da cidade, enfim, é onde tudo acontece! Sempre olhe bem a localização do seu hotel, pois ladeira não falta, se você estiver de acordo, beleza! Outra dica muito bacana, verifique as avaliações do hotel, principalmente na questão da água quente! Muitos hostels dizem ter água quente, mas não tem, então veja o que os hóspedes dizem (eu gosto das avaliações do tripadvisor).... Nós fomos no frio e isso fez muita diferença! Dos 3 hotéis que ficamos, o que eu mais recomendaria é o Alfredo's Palace, pois tem ótima localização, tem água quente, e o pessoal foi bem cordial! É um hotel simples, porém aconchegante e o preço é acessível!


Como se locomover



Os passeios fechados com as agências já inclui o transporte e eles te buscam no hotel ou você espera na frente da agência (geralmente nos arredores da Plaza de Armas). Fora isso, usamos o Uber, sempre mais barato que fechar no táxi, e como estávamos com a internet ilimitada da Easysim4U, podíamos chamar de qualquer lugar (sempre tenho cupons de descontos, se precisar chama lá no instagram @caminhosdaju)!

O que comer

Era exatamente nesse ponto que eu queria chegar, a comida! Existem muito pratos típicos peruanos, e nem sempre sabemos o que exatamente virá, pois o nome não está em espanhol, mas sim na língua quechua! Vou colocar uma listinha e o que eu experimentei:

Arroz de Chaufa + Pollo a la Brasa: O arroz chaufa, é um prato de arroz frito peruano. É uma mistura de cozinha peruana e chinesa. E esse frango tem um tempero que dá vontade de comer mais!



 


Ceviche: Esse não foi o melhor, mas foi o que eu tirei foto. Esse aí foi comprado no Mercado San Pedro, custou 12 soles. Não estava ruim (muito pelo contrário), mas eu comi um no almoço (incluso no tour) no dia do passeio ao Vale Sagrado, que estava DIVINO!





  

Cuy: Rato? Coelho? Porco? Ainda não sei bem..... mas tem um cheiro delicioso no momento do preparo. Achei meio sem carne, e o sabor lembra o frango!


 



Lomo Saltado: é um popular prato tradicional peruano, um salteado que normalmente combina tiras marinadas de filé alpaca com cebola, tomate, batata frita e outros ingredientes e é tipicamente servido com arroz.






Inca Kola: Lembra bem o nosso guaraná Jesus.... doooooceeee


 
Anticucho: espetinhos de coração de boi, geralmente servido com batatas.

Ají de Galinha: um creme espesso, feito a base de milho, pimenta e peito de frango

Caldo de Galinha: Sopa deliciosa com macarrão e frango, que eles geralmente tomam no café da manhã.

Sopa Criolla: Tem ovo, tem macarrão e um tempero maravilhoso! É servido como entrada e eu não dispensei nenhuma vez!


 

Pisco Sour: é uma espécie de coquetel peruano, com limão que eu gostava de tomar sempre antes das refeições!
 
Chicha Morada: É o suco daquele milho preto, mas não se assemelha com a textura do nosso suco de milho. Parece um suco de uva (só na aparência).

Pachamanca: ou "cozinha da terra", é um cozido preparado em um forno sob as pedras, composto por carnes (eu experimentei com cuy, cordeiro e porco), batatas (mandioca, batata doce e um outro tipo de batata), verduras e tamal (uma espécie de pamonha, porém com temperos e recheada de frango.
 
Cachanga: um pão, bem parecido com a nossa panqueca, porém produzido com farinha de milho. Ótimo para um lanchinho!


ChiriUcho: é um prato tradicional peruano que funde vários produtos da costa, das montanhas e da selva, geralmente servido no Corpus Christ. Surgiu na época pré-espanhola, quando os governantes incaicos chegavam em Cusco para participar da procissão de Mummies. As pessoas chegavam com seus lanches e compartilhavam uns com os outros após a cerimônia. Por isso, o prato é composto por diversos ingredientes, como ovas de peixe, algas, frango, cuy, Chalona (carne seca de cordeiro), queijo, milho, um turron (tipo um bolo) feito com farinha de milho, morcela (linguiça) e rocoto (pimenta).

 
Causa Rellena: lembra bem um escondidinho de batata embaixo e em cima, com diferentes recheios. (não deu tempo de provar, mas recebi muitas recomendações).

Cerveja Cusqueña: As minhas preferidas foram a Dorada e a de trigo, mas tem também a versão Pilsen e Staut!


 


O que fazer



Além de Cusco ter vários lugares para passear, explorar e se perder no tempo, ela também é cidade base para vários passeios! Vou listar aqui os que fizemos e também aqueles que por algum motivo não fomos:



Centro Histórico: Para conhecer o centro histórico, fizemos um free walking tour. Ficam várias empresas oferecendo esse serviço ali na Plaza de armas, normalmente sai um as 10h, e outro as 15h. Disponível nas versões inglês e espanhol. Muito rico em informações. Eu achei que valeu a pena. O serviço é grátis, mas você tem que dar uma gorjeta no final (super merecida!).






Mercado de San Pedro: Reserve pelo menos meio período se você quer conhecer tudo com calma e ir experimentando as coisas! Se não tiver esse tempo, vá correndinho mesmo, porque vale a pena! Tem de tudo! Sucos de frutas típicas, comidas, lembracinhas, canecas, copos, ponchos, enfim, muitas coisas pra xeretar!




Vale Sagrado: A visita ao Vale Sagrado foi um dos programas mais divertidos de nossa viagem! E não digo isso por achar que foi o lugar mais belo ou com mais histórias (embora tenha me encantado demais com esse vale)... Digo isso porque foi um lugar que nos trouxe tantos encontros bacanas, que eu seria injusta com o destino se não o agradecesse! 
   - Pisac: Localizada no Vale Sagrado, no Peru. Conta como um dos maiores sitios arqueológicos do Vale Sagrado dos incas juntamente com Machu Picchu e Ollantaytambo. Ainda podemos ver muitas construções por lá, como os pisos agrícolas, a parte administrativa, religiosa e um lugar onde podiam contemplar os astros! Essa parada fez parte do passeio que fizemos pelo Vale Sagrado juntamente com a Fabulous Peru Tours, depois paramos em Ollantaytambo e então pegamos um trem rumo a Machu Picchu!
      - Ollantaytambo: Ollantaytambo, (que significa descanso de Ollantay), é uma pequena cidade do Vale Sagrado, ponto de partida para muitos turistas que tem como destino Machu Picchu. É repleta de feiras de artesanatos e eu não parava de admirar aquelas cores vibrantes por todo lugar onde passava! Tem um interessante Sítio Arqueológico (o qual requer boleto turístico para entrada) e com a ajuda de um bom guia, você poderá entender muito bem sobre a arquitetura, sistema de armazenamento de alimentos e pisos agrícolas dos Inkas. Vale muito a pena visitar!

Machu Picchu - Eu levaria horas para explicar tudo o que senti neste lugar mágico, e ainda assim seria difícil de traduzir tudo! Para chegar a Machu Picchu, fechamos um passeio combinado Vale Sagrado + Machu Picchu com a Agência Fabulous Peru Tours, que tinha a seguinte logística: Saída de Cusco as 08:30h da manhã, visita a Pisac, almoço (delicioso e farto, incluso no passeio!), visita a Ollantaytambo, ida no trem para Águas Calientes, (passamos a noite no Hostal La Vecindad (pessoal muito solícito e ainda te espera na parada do trem pra mostrar o caminho), que não está incluso no pacote do tour, Pegamos um ônibus bem cedinho para subir até Machu Picchu, encontramos com o guia da agência lá no parque, visitamos tudo ouvindo atentamente as explicações do guia, na saída aproveitamos para carimbar nosso passaporte (não estava disponível na entrada), e pegamos o ônibus de volta. No horário marcado, fomos para a estação (é meio bagunçado, mas no final dá tudo certo), e em Ollantaytambo no desembarque, havia uma van nos esperando para nos levar de volta a Cusco. Achei que valeu a pena fechar esse passeio com a agência, porque com a logística fechada, pudemos aproveitar muito mais sem ter que nos preocupar. Para comprar o ingresso diretamente no site, você precisa ter um cartão Visa verify, como eu não tenho, fechei com a agência e não me arrependi. E para falar da experiência que tivemos por lá, eu resolvi escrever um post somente para Machu Picchu, já que tem um caminhão de informações!



Montanha 7 Colores/ Vinicunca: Um dos lugares mais mágico em que já estive! Conhecida como Vinicunca, Montanha Arco-íris ou até mesmo Montanha de La 7 Colores, essa linda montanha, que com seus 5.200 mts de altitude é considerada a quinta mais alta no Peru, está se tornando um destino muito procurado por aqueles que visitam Cusco! Essas cores, se devem a grande quantidade de pedras sedimentares em erosão. É uma caminhada de 3 horas, que exige bastante do corpo pela sua altitude e também por conta dos seus 6 quilômetros. Pelo caminho, muitos quechuas oferecem cavalos para alugar e fazer o percurso. Esse foi um dos passeios mais esperados em minha trip pelo Peru! Achei que ia gostar muito, mas o que aconteceu foi que eu me apaixonei perdidamente por essa montanha! Foi cansativo? Sim! Foi desafiador? Muito! Exigiu do meu físico e psicológico?? Extremamente! Mas eu não hesitaria em voltar!


 

Pedra dos 12 ângulos - San Blas (aproveite para ver as inúmeras lojinhas na região!): A Pedra de 12 ângulos representa muitas coisas. Além de ter 12 ângulos com perfeito encaixe nas demais pedras, ela também marca o meio da cidade e representa os doze palácios incas dispostos por Cusco. Além de ser o centro de Cusco, sinalizada como marco inicial e pedra fundamental dos palácios e de sua arquitetura incrível.

 

Museo do Pisco: Não é o lugar mais barato, mas achei que valeu a pena! A comida era muito saborosa e os drinks preparados com muito capricho!


  



Quanto custou

Toda viagem depende do estilo do viajante: se gosta de ficar em um hostel mais simplesinho, não se importa com a localização, ou se tem aquela aguinha quente para o final do dia, além é claro de dividir o quarto com inúmeras pessoas. Tem os que curtem um hotel mais luxuoso (quem nunca???), mas a gente também não precisa ser 8 ou 80, ou seja, dá pra escolher um do nosso agrado sem ter que deletar as próximas viagens. Quando se trata de passeio e restaurante também é o mesmo raciocínio, tem passeio privado e compartilhado, e no caso dos restaurantes, pode ser o PFão, ou o requintado. Vou colocar aqui as nossas escolhas, que em 98% dos casos foi super acertada e também vou contar sobre alguns "perrenguinhos". Não vou detalhar muito sobre de passagem aérea, porque isso depende da sua logística, se vai para outro lugar ou não, mas eu diria que R$ 2.500,00 paga a passagem SP x Lima, Lima x Cusco e Cusco x SP!



Hotel: eis os hotéis em que nos hospedamos (quarto privativo, com banheiro, localizados próximo a Plaza de Armas



Alfredo's Palace: R$ 151,00 a diária - bom, chuveiro quente e cama confortável;



Jamuy Chilling House: R$ 106,00 a diária - péssimo.... bem que tentaram, mas não deu....

Qosco Wasi: R$190,00 a diária - ótima cama, ótimo chuveiro, ótima localização e ótimo café da manhã!


Passeios: Os passeio em dólar, foram os que eu cotei/fechei daqui do Brasil por motivos de segurança (fiquei com medo de não ter vaga fechando tão perto da data de ir, pois tem limite de visitas diários), porém todos os passeio fechados lá, são sempre mais baratos e ainda cabe negociação.

Passeios que exigem o boleto turístico - 130 soles para 10 dias
Vale Sagrado: USD 32 - Fabulous Peru Tours
Machu Picchu: USD 235 - Fabulous Peru Tours
Salineras de Mara - Moray: 25 soles
Saqsaywaman - Para esse, pegamos um Uber por 7 soles para ir e voltamos caminhando

Outros passeios
Montanha colorida: 55 soles + 10 soles de entrada no parque
Mercado de San Pedro - Free
Centro histórico: Free walking tour ( você dá uma gorjeta pelo trabalho)
Convento de Santo domingo - 10 soles
Catedral de Cusco - Se entrear entre 6 e 9, free, senão 25 soles
Templo de La Compania de Jesus - 10 soles
Igreja e Convento La Merced - 10 soles
Museo Inka - 10 soles
 
Laguna Humantay:  USD 40 - Fabulous Peru Tours - esse eu não fiz :( 

Comida: Cusco é muito famosa por sua gastronomia, mas a gente não se empolgou em conhecer restaurantes mais requintados como o Chica do Gaston Acurio (muito bem avaliado), então vou deixar as dicas de alguns que fomo e gostamos:

Super Pollo: 20 soles por um prato de arroz de chaufa+ 1/4 de pollo a la brasa e 14 soles por fritas + 1/4 de pollo a la brasa - dizem que cada prato desses serve 1 pessoa, mas no meu caso, sobrou. Estava maravilhosamente delicioso e o atendimento foi excelente. Fica na esquina da Calle Matara x Quera (297).

Sara Wasi: Esquema Menu turístico - 15 soles com pisco+entrada (a sopa criolla é a melhor)+prato principal (eu sempre ia de lomo saltado)+bebida

La Estancia Andina Grill: 65 soles por uma parrillada andina. Gostei porque dá para experimentar vários tipos de carne como alpaca, cuy e o espetinho de coração de boi (delicioso!), dizem que serve 2, mas eu acho que serviria 3!


 

Mercado de San Pedro: 12 soles por um prato com ceviche + arroz chaufa + milho. Confesso que não foi meu prato favorito, mas matou minha curiosidade de comer no mercado..rs No mercado tem muitas opções bem em conta, mas comer lá é somente para os fortes! Ah, a parte dos sucos logo no começo é sensacional! Tem opções a partir de 3 soles e é delicioso!

Starbucks: Eu não ia deixar de falar, né??? Tem um Starbucks, na Plaza de Armas que tem uma vista linda para um cafezinho, num dia frio, depois de um dia todo de passeio. 12 soles pelo vanilla latte! :)


E aí? Animou em ir pra Cusco??? Ficou faltando alguma informação que você precisa? Deixe nos comentários!

Quer ajuda para preparar sua viagem??? Nós te ajudamos!


Para garantir sua hospedagem, faça suas reservas em CUSCO!

Para se manter conectado o tempo todo, com pacotes ilimitados, adquira seu Chip da EASYSIM4YOU ! Eu sempre tenho cupons de descontos, me chama no instagram @caminhosdaju pra ver se eu tenho algum ativo :) !

Jamais viaje sem um seguro de viagens! É o tipo da coisa que é bom ter e torcer pra não usar, mas se precisar, você estará protegido! Em parceria com a SegurosPromo, o blog oferece um desconto na compra do seu seguros de viagem. Ganhe 5% de desconto na sua compra inserindo o código promocional CAMINHOSDAJU5 no campo indicado da tela de pagamento. Você pode pagar o seu seguro em até 12x no cartão, mas se preferir pagar no boleto, ganha na hora mais 5% de desconto.

Precisa de um carro alugado???? Tá na mão!!!!  Rent Cars resolve pra vc!

Bjos e até a próxima aventura!!!